Desafios do descarte de equipamentos na cadeia fotovoltaica

As novas tecnologias de produção de energia vieram para revolucionar o mundo. Uma delas é o painel fotovoltaico. Sua praticidade de uso permitiu a conversão da luz solar em eletricidade, possibilitando que os consumidores gerem a própria energia em casas, empresas, fazendas e prédios públicos.

No Brasil, são mais de 15 GW em usinas fotovoltaicas em operação, potência esta que supera a da maior hidrelétrica do país, Itaipu (14 GW). A fonte já representa 7,6% da matriz elétrica brasileira, segundo dados divulgados em maio pela Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR). Já em cenário mundial, em abril foi alcançado o marco de mais de 1.000 GW em capacidade de energia solar, de acordo com relatório da SolarPower Europe. 

Mas, para onde vão todos esses painéis fotovoltaicos ao final da vida útil? 

Os painéis fotovoltaicos são constituídos, principalmente, por vidro, alumínio, silício, fósforo, arsenieto de gálio, plástico, cobre e outros condutores metálicos que, se descartados de forma inadequada, podem afetar o meio ambiente. Por isso, o descarte e a reciclagem precisam ser feitos corretamente e por empresas homologadas. 

A Agência Internacional de Energia Renovável (IRENA) estimou que 78 milhões de toneladas de resíduos de painéis solares serão descartadas em todo o mundo até 2050. A reciclagem desses componentes, que pode chegar a 90% de reaproveitamento, pode movimentar uma indústria de mais de US$ 15 bilhões. 

Na Europa, a primeira fábrica de reciclagem de plantas fotovoltaicas foi inaugurada em 2018, em Rousset, sul da França. A empresa fechou um contrato com a organização francesa sem fins lucrativos PV Cycle, com previsão de reciclar 4 mil toneladas de resíduos por ano.  

No Brasil ainda não é comum o descarte de placas fotovoltaicas, principalmente por ser uma tecnologia nova no mercado. Esses equipamentos foram projetados para durar 25 anos. No entanto, algumas empresas pioneiras já começam a oferecer esse serviço no país.

Ao contrário de outros materiais condutores de energia, a reciclagem de painéis fotovoltaicos não possui uma lei específica no Brasil. A Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS – Lei nº 12.305/2010) define procedimentos para destinar a coleta e restituição de resíduos ao setor empresarial. Já o decreto 10.240/2020, regulamenta o Acordo Setorial para a Logística Reversa de Eletroeletrônicos, incluindo, por sua vez, os painéis fotovoltaicos residenciais/comerciais, deixando de fora as grandes usinas.

Aqui na CPFL Soluções, temos a preocupação com o descarte sustentável de equipamentos com uma visão 360º, porém, algumas manutenções ainda são novas no mercado, o que torna o processo desafiador. Temos a preocupação em andar junto às tecnologias de mercado e assim, sermos competitivos, sustentáveis e seguros. Vamos juntos.

Sua empresa precisa de abertura e fechamento de jumper para realizar a manutenção das instalações elétricas?

Entenda o que é esse trabalho e de que forma podemos ajudar a sua empresa a ter benefícios com tal ação.

A busca por eficiência é um processo contínuo em todas as empresas. Mas o que isso tem a ver com a abertura de jumper? O procedimento feito para bloquear a energia na linha, é uma etapa do trabalho de manutenção de uma Subestação.

Esse processo visa garantir a segurança e bom funcionamento de todos os equipamentos e itens de segurança da entrada de energia de uma Subestação. O processo nem sempre é necessário para realizar manutenção, mas quando sim, é preciso contar com uma empresa homologada pela distribuidora local, e que tenha um time de especialistas que possam realizar esse trabalho com o menor impacto de produtividade para sua empresa e com segurança garantida, tanto para os equipamentos elétricos, quanto para as pessoas envolvidas.

Recentemente, nosso time realizou um projeto de modernização e manutenção em instalações elétricas, no qual fomos contratados para construir um novo ramal de linha de transmissão entre as duas unidades do complexo industrial. Havia ainda a necessidade de não interromper a produção do complexo e não deixa-lo sem energia.

Nosso desafio, então, era realizar todo processo com o sistema energizado. Utilizamos a técnica de abertura e fechamento de jumper, realizando a manutenção apenas desviando parte do fluxo elétrico, a partir da manobra de ramal, trabalho bastante comum nas nossas soluções, possível quando o cliente possui duas entradas de energia, e com isso, passamos a trabalhar de um lado da linha, e o outro, continua energizado, garantindo a produtividade e lucratividade da sua empresa.

Isso é, com a abertura de jumper e manobra de ramal combinadas em uma só solução, a sua empresa poderá continuar em produção ainda em momento de serviço de O&M.

Sua empresa precisa de apoio para instalações elétricas? Entre agora mesmo em contato com nosso time de especialistas, eles ajudarão a sua empresa a encontrar soluções personalizadas para seus objetivos. 

Um bom plano de manutenção pode ser o caminho para sua empresa colocar o ESG em prática

Muito se fala em ESG e pouco se sabe como colocar em prática os conceitos corporativos embutidos nessas três siglas que estão transformando o mundo dos negócios. Aqui falaremos sobre como incorporar um bom plano de manutenção dos equipamentos elétricos na sua empresa e como esse processo pode ser considerado uma estratégia ESG.

Há uma máxima no mundo dos negócios que diz que “custo é igual a unha, sempre tem que cortar”. No entanto, essa busca por eficiência econômica e financeira pode ser alcançada de várias formas. Uma delas é evitar desperdícios energéticos.

Instalações, equipamentos e motores elétricos necessitam de manutenção periódica. Essa prática evita desperdícios de energia elétrica e recursos financeiros.  O uso eficiente de recursos limitados como energia elétrica é visto como uma boa prática ESG. 

As manutenções podem ser preventivas, preditivas e corretivas. Normalmente são atividades complementares e cada uma cobre uma camada do plano de manutenção. 

A manutenção preventiva busca se antecipar a falhas que são imperceptíveis. Uma fuga de calor pode comprometer o processo produtivo de uma indústria de transformação. Identificar e propor uma correção é o que fazemos na CPFL Soluções. 

Há também a manutenção preditiva ou recorrente, que é a prática de colocar sensores para monitorar o funcionamento dos equipamentos e instalações elétricas. O objetivo é compreender o funcionamento da máquina e propor soluções para aumentar a produtividade. 

Por fim, situações inesperadas são parte do negócio. Para isso, realizamos manutenções corretivas sempre que um equipamento apresentar falha ou necessitar de um reparo urgente.

Portanto, investir em um plano de manutenção periódico é uma boa opção para que seu negócio possa garantir a segurança, eficiência e ainda economizar. Quer saber mais como nós, da CPFL Soluções, podemos ajudar a sua empresa a colocar o ESG em prática? Entre em contato com um dos nossos consultores.

Entenda as vantagens e desvantagens das redes de distribuição aérea, compacta e subterrânea

Quando o assunto é rede de distribuição de energia, a primeira imagem que vem à nossa mente são postes de concreto ou madeira, um emaranhado de fios ligados às penduradas caixas de metal (transformadores) e etc… 

Mais comum no Brasil, a rede de distribuição área é uma tecnologia do século passado e apresenta um nível mais baixo de confiabilidade devido a sua vulnerabilidade. No entanto, é economicamente acessível, o que torna sua utilização oportuna em regiões complexas ou distantes dos grandes centros urbanos. Em áreas rurais, como fazendas, ainda é uma solução funcional.

Entretanto, devido à vulnerabilidade das redes aéreas, houve a necessidade de uma atualização tecnológica para tornar os equipamentos mais compactos, resilientes e seguros. Surgiu, então, as redes compactas. Embora mais eficientes, o nível de exposição ainda é superior aos das redes subterrâneas, perdendo também em atributos como interrupções/ paradas inesperadas, segurança e custo benefício. 

Apesar das redes subterrâneas terem um custo maior de implantação, trata-se de uma tecnologia com menor custo de manutenção, o que produz uma segurança e aparência organizada aos espaços. 

Centros comerciais e habitacionais em grandes metrópoles do mundo, como Londres (Inglaterra), Barcelona (Espanha), Paris (França) e Washington (EUA), estão adotando as redes subterrâneas para proporcionar uma experiência superior de convivência e trabalho à sociedade. Hoje a tendência são ambientes que oferecem, em um só lugar, trabalho, moradia, lazer e entretenimento, tudo isso com conforto e segurança. 

Olhando pelo aspecto técnico, as redes subterrâneas também atendem melhor os consumidores industriais, conferindo mais confiabilidade e eficiência para o fornecimento de energia elétrica, uma vez que não estão expostas a fenômenos naturais e animais e acidentes de atrito.

E olha só, os produtores de energia renováveis como solar fotovoltaica e eólica também utilizam as redes subterrâneas para proporcionar mais segurança ao escoamento de energia ao Sistema Interligado Nacional (SIN).

O&M é destaque em tendências para 2022

Monitoramento dos ativos para controle das manutenções com foco em antecipação, é uma grande tendência que deve despontar neste ano em tecnologia e serviços de O&M.

Além de se destacar como produto em avanço em 2022, o trabalho de Operação e Manutenção é capaz de agregar a tecnologia na prática, uma vez que o foco se torna gerir a funcionalidade e capacidade da infraestrutura.

Tendências em Avanços Tecnológicos

Algumas novas tecnologias se destacam na mídia como promissoras para o mercado de infraestrutura e serviços em energia elétrica. Alguns exemplos são:

Microrredes: funcionam integradas ou não à rede de distribuição, e podem ser acionadas nos momentos em que ocorre falta de energia.

Blockchain e IoT (internet das coisas): também são úteis no setor energético, por exemplo reduzindo intermediários no fornecimento, e tornando viável aos consumidores a comercialização da própria energia.

Tecnologias em armazenamento de energia: Merecem destaque, as baterias e outras formas crescentes de armazenamento de energia, que são associadas ao benefício de custos competitivos.

Períodos críticos, como a crise hídrica de 2021, refletem em avanços de digitalização do setor energético no Brasil. À exemplo desta tecnologia, a CPFL Soluções está em grande movimentação para a digitalização de processos e serviços oferecidos aos clientes.

Na prática

Nos casos da frente de O&M, o Coordenador de Oferta e Aplicação na CPFL Soluções, Rafael Garcia, aponta que a principal preocupação dos clientes ainda está voltada para a indisponibilidade da planta e manutenção preventiva dos ativos.

A fim de atender tais demandas de acordo com os avanços tecnológicos, o time de aplicações avalia as especificidades de cada caso, e apresenta a melhor solução, com a preocupação de coerência ao conceito de ESG. Isso é, em todo o processo de planejamento, os especialistas analisam as soluções de menor impacto ambiental possível, assim como os impactos sociais, principalmente em relação à planta, em que exige um cuidado extra para a interação com um ambiente físico. Em relação à governança, o time precisa analisar os impactos destas soluções para o sucesso e planejamento do cliente.

Com isso, fica claro a importância de considerar as manutenções de infraestrutura elétrica, já no planejamento energético da sua empresa, e contar sempre com um serviço especializado e robusto, a fim de garantir a efetividade do serviço com sustentabilidade e competitividade.

Saiba agora mesmo: Sua empresa precisa de uma subestação de energia?

O caminho da energia elétrica é feito por um sistema de transmissão que começa nas usinas e chega até os transformadores que regulam a tensão, abaixando ou aumentando as tensões e correntes elétricas dos circuitos. Nas empresas, uma subestação pode ser aliada importante nesse processo, uma vez que atua para que a energia chegue na tensão adequada, conforme a demanda e a necessidade energética dos equipamentos utilizados naquela atividade.

Com essa infraestrutura, indústrias e outras corporações ganham eficiência energética, segurança e, de quebra, há facilidade de expansão para um aumento de demanda futuro.

Entre os benefícios relatados por empresas que já contam com subestação, destacam-se a melhoria da qualidade de energia, tarifas de energia reduzidas, bem como a redução considerável de quedas de energia. Outro ponto positivo é a facilidade de manutenção, uma vez que os componentes das subestações são desenvolvidos para conter falhas e garantir o isolamento dos trechos onde um eventual problema ocorreu, o que significa mais agilidade na solução de qualquer falha, permitindo rápida retomada das atividades produtivas.

Para ter a resposta se sua empresa precisa de uma subestação de energia, a recomendação é contratar uma consultoria especializada, com ampla experiência em avaliações técnicas dos sistemas energéticos. Caso a solução seja, de fato, a implantação da infraestrutura, essa consultoria poderá ser parceira no planejamento, apoiando no dimensionamento de fatores como o local escolhido, a capacidade energética necessária, as possibilidades de expansão e o plano de manutenção na infraestrutura energética completa.

Tudo deve ser feito observando criteriosamente as normas e legislações específicas do setor elétrico, pois antes do início das obras, o projeto precisa receber autorização da concessionária de energia.

Quer saber mais? A CPFL Soluções conta com um time de especialistas pronto para trabalhar em conjunto com a sua empresa, entre em contato agora mesmo!

Mais segura, redes subterrâneas garantem fornecimento contínuo

A estética urbana melhora nas áreas em que não há fiação aparente. Mais modernas, as redes subterrâneas agregam benefícios que vão além do embelezamento. O mais destacado é a segurança.

Redes de fiação subterrâneas estão menos sujeitas a problemas com interferências do meio, como tempestades, acidentes de trânsito, ventanias, queda de galhos de árvores, objetos lançados nos fios, raios e vandalismo. Com isso, registram menor incidência de “piscas” e interrupção de energia.

A segurança também é maior para a integridade de quem vive, trabalha e/ou transita nos locais com redes subterrâneas. Não há riscos de choque elétrico por fiação exposta, por exemplo.

Na área industrial, isso significa grande confiabilidade operacional, para que os processos de fabricação ocorram sem interrupções. Além de planejamento de manutenções mais espaçadas, uma vez que a infraestrutura tem menos interferência de vegetações locais, por exemplo. Não por acaso, o cabeamento elétrico subterrâneo é uma boa opção para ser adotado em setores críticos, como as redes hospitalares.

A CPFL oferece a todo o país a implantação de redes subterrâneas, do projeto à energização final. Com a expertise de centenas de km de redes já construídos, a companhia trabalha com foco em garantir maior segurança e durabilidade da rede elétrica, agregar valor aos empreendimentos e minimizar as perdas. 

Período de entressafra é o momento ideal para manutenções elétricas

Os desafios da entressafra são muitos e sua empresa os conhece bem. Mas o período também apresenta oportunidades. Uma delas é a realização de manutenções elétricas.

A recomendação é aproveitar o momento para verificar todas as instalações elétricas e realizar os ajustes necessários.

“A manutenção é fundamental para qualquer tipo de instalação, seja residencial, predial e no comércio. Mas a indústria tem uma característica peculiar, que é uma estrutura bem mais complexa. Nesse setor, manutenção não é algo opcional, e sim uma ação obrigatória”, lembra Eberson Fernandes Muniz, Business Development da CPFL Soluções. Com esse cuidado, a produção segue funcionando, de forma eficiente e com economia.

O especialista explica que há cinco principais tipos de manutenção voltados à atividade industrial. Confira:

Manutenção preventiva

Indicada para reduzir ou evitar a falhas nos equipamentos.

Manutenção preditiva

Trabalho mais analítico, no sentido de definir através de estudos o estado futuro de um equipamento, tendo como um dos impactos a redução de prejuízos com as paradas inesperadas.

Manutenção de linha ativa

Realizada sem o desligamento da energia o que deve ser feito de forma preventiva e regular, pois evita o desligamento ou a interrupção da atividade fabril

Manutenção corretiva

Ação emergencial para corrigir falhas no menor tempo possível e evitar maiores implicações

Engenharia de manutenção

Conjunto de atividades que estuda e planeja ações para evitar problemas crônicos em indústrias e empresas de outros setores, com foco na qualidade e disponibilidade.

Já consegue imaginar qual manutenção se encaixa melhor na sua empresa? Não deixe esse planejamento para depois. Aproveite para investir em contratações periódicas que trazem mais segurança e eficiência para a sua operação estar sempre em dia. Com anos de experiência, nossos times executam qualquer tipo de manutenção em subestações, linhas de transmissão, redes de distribuição e cabines de mediação. E isso pode ser feito por meio de contratos anuais, plurianuais e até mesmo com soluções customizadas. Entre em contato conosco.

Empresas que cumprem fielmente manutenção na infraestrutura energética percebem aumento de produção

Como sabemos, a sua empresa já tem o planejamento estratégico que contempla aspectos como orçamento anual, expansão e foco nos investimentos. Mas tão importante quanto estes pontos, é incluir nas estratégias do seu negócio um bom planejamento para implantação futura da infraestrutura energética. Inserir essa iniciativa na cultura organizacional é de extrema importância para uma operação sustentável, com altos níveis de qualidade e eficiência.

Sempre que as instalações de energia estão operando de forma adequada, os gestores têm maior previsibilidade do negócio e conseguem tomar uma série de decisões de forma mais assertiva.

Na indústria e nas demais atividades econômicas, existe uma relação direta entre energia e desenvolvimento. Afinal, sem o potencial energético adequado não é possível, por exemplo, expandir a produção para atender aumentos de demanda e se antecipar a novas necessidades de mercado. 

Nesse processo, adaptações não são feitas da noite para o dia. É por meio de um planejamento energético prévio que sua empresa saberá qual a infraestrutura necessária para comportar o crescimento em médio e longo prazo, evitando surpresas e, sobretudo, prejuízos difíceis de recuperar.

Outro benefício de um planejamento bem-executado é a possibilidade de levar, de vez, a sustentabilidade para as operações, por exemplo passando a utilizar energia proveniente de fontes renováveis, reduzindo a emissão de gases nocivos ao meio ambiente e, inclusive, podendo gerar créditos de carbono.

Em outras palavras, é com planejamento que sua empresa vai assegurar as necessidades energéticas com menor custo, do ponto de vista financeiro, sustentável e social.

Saiba iniciar um planejamento para a extensão energética sem abrir mão da segurança

Em todas as empresas, a cultura interna precisa considerar a importância das manutenções das instalações elétricas. Quando isso já acontece e os níveis de segurança estão em patamares elevados, a companhia está apta a trilhar o caminho do avanço na produtividade. Em outras palavras, pode ser a hora de planejar a expansão dos negócios. 

Nesse processo, uma orientação não pode ser ignorada: essa expansão energética tem de ser analisada considerando todos os indicadores de segurança. Temos uma área especializada para desenvolver soluções com profissionais prontos para apoiá-lo, cuidando para que todas as instalações elétricas ofereçam suporte ao crescimento e estejam aptas a operar em pleno funcionamento a todo momento, contando inclusive com os Guardiões da Vida.

Além disso, dispomos de consultoria especializada  para  indicar quais as melhores decisões e os investimentos necessários para expandir a capacidade energética sem riscos e com o menor custo possível.

Obter sucesso e credibilidade de forma perene em mercados competitivos são conquistas reservadas somente às empresas que fizeram a lição de casa e souberam se planejar com afinco para garantir não apenas metas de produção e qualidade, mas também de eficiência e segurança em todas as frentes do negócio.