Altas temperaturas e indústria fazem disparar o consumo de energia no Brasil

A recuperação da atividade industrial de alguns segmentos da economia e as altas temperaturas fizeram o consumo de energia elétrica disparar no Brasil. Em setembro, a demanda de eletricidade do país somou 68.306 megawatts-médios (MWmed), crescimento de 6,2% em relação ao mesmo período de 2022.

A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) – informou que essa taxa expressiva foi a maior já registrada no país em 2023, como mostram os dados a seguir:

Evolução do consumo de energia no Brasil em 2023 na comparação com 2022:

MêsVariação percentual
Janeiro0,0%
Fevereiro1,6%
Março2,3%
Abril0,0%
Maio2,9%
Junho1,7%
Julho0,4%
Agosto3,9%
Setembro6,2%

Como sabemos, o setor elétrico é dividido em dois ambientes de comercialização. O Ambiente de Contratação Regulado, onde se encontram os clientes residenciais e as pequenas e médias empresas, sendo que neste ambiente o consumo cresceu 8,2% em comparação a 2022. O aumento foi causado pelo grande uso de ar-condicionado para enfrentar a onda de calor, já que a temperatura ficou acima da média para o mês de setembro.

Já no Ambiente de Contratação Livre, onde se encontram as grandes empresas e indústrias, o consumo cresceu 3%. Neste caso, a elevação da demanda está mais atrelada ao desempenho econômico de algumas atividades monitoradas pela CCEE. No entanto, o uso mais intenso de equipamentos de refrigeração também teve a sua parcela de contribuição, sobretudo nos segmentos comercial e de serviços.

Em setembro, o mercado regulado representou 63,08% da demanda nacional de eletricidade, com o consumo de 43.091 MWmed. Por outro lado, o mercado livre teve a participação de 36,92% (25.216 MWmed).

Veja como foi o consumo em setembro por ramo de atividade econômica.

A CCEE monitora 15 atividades econômicas dos mais diversos segmentos. Em setembro, chamou a atenção o consumo dos setores de comércio e serviços, que avançaram 15,1% e 11,6% respectivamente, as maiores altas do mês. Para a CCEE, esse avanço é reflexo da desaceleração inflacionária do país, associada a uma alta movimentação em prédios comerciais. Todavia, o calor também exigiu maior uso de ar-condicionados nesses segmentos.

O crescimento do consumo poderia ter sido maior se não fosse o fraco desempenho energético das atividades de fabricação de veículos (-6,3%), têxteis (-3,5%) e saneamento (-3,2%).

Tendo em vista a importância do consumo na estrutura do setor elétrico e concomitantemente nos valores de PLD, o acompanhamento da carga é realizado tanto pela CCEE, quanto pelo ONS, tendo em vista que mudanças expressivas do comportamento do consumo horário demandam ajustes na operação, podendo impactar toda a cadeia do setor elétrico brasileiro.

Saiba por que as empresas estão migrando para o Mercado Livre de Energia

Provavelmente se você está lendo este artigo é porque está buscando informações ou já está no mercado livre. Pois saiba que você não está sozinho nessa. Muitas empresas estão na mesma situação, não por acaso, milhares delas resolveram migrar para o mercado livre de energia após descobrirem que é possível ter uma grande economia e previsibilidade de custos.

Segundo dados da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), mais de 4,8 mil empresas escolheram mudar para o mercado livre entre janeiro e agosto de 2023. Em apenas oito meses, o volume registrado supera o ritmo de migrações do ano passado inteiro. A expectativa da CCEE é que 24 mil unidades consumidoras tomem essa mesma decisão em 2024.

O mercado livre é um ambiente comercial em que os consumidores e os fornecedores negociam livremente as condições de suprimento de energia elétrica. Nesse modelo, a distribuidora local continua com a função de levar a energia até o seu negócio.

Até pouco tempo, só as grandes empresas tinham acesso ao mercado livre. No entanto, esse contexto mudou e a partir de janeiro de 2024 todas as empresas conectadas na alta tensão (Grupo A) vão poder contar com esse benefício.

Quer saber como a sua empresa pode aproveitar essa excelente oportunidade? Entre em contato conosco ou faça uma simulação para saber rapidamente o potencial de economia que o mercado livre pode proporcionar para o seu negócio.

Quais são os segmentos das empresas que mais estão migrando para o mercado livre?

Saiba que mais da metade das empresas que escolheram o mercado livre neste ano estão nos ramos de comércio e serviços. Em seguida vem setores como alimentício, manufaturados diversos, saneamento, telecomunicações e muitos outros.

Na prática, empresas com uma despesa de energia acima de R$ 5 mil já podem considerar a migração para o mercado livre. Além de proporcionar uma economia substancial dos custos operacionais, o consumidor livre aumenta a sua previsibilidade orçamentária.

Outro ponto extremamente relevante no contexto atual é a possibilidade de comprar energia renovável. Ao consumir energia limpa, o seu negócio reduz as emissões de carbono dos produtos e serviços, ganhando mais competitividade na chamada economia verde e criando valor para a sua marca.

Entenda seu contrato de energia no mercado livre

Mês a mês estamos abordando diversos tópicos relacionados ao contrato de energia, tipos de energia do mercado livre de energia, seus respectivos descontos, unidade consumidora, percentual de carga contratada etc.

Este mês vamos continuar falando sobre alguns elementos que fazem parte de um contrato de energia. São eles: Sazonalidade, flexibilidade, modulação e garantia financeira.

Sazonalidade: É ela que forma a curva anual de consumo do cliente, conforme a quantidade de energia alocada mês a mês previamente. É definida em percentual e permite que os valores contratados mensais sejam alterados, desde que não ultrapassem o limite da sazonalidade estipulado em contrato e o volume de energia contratado anual.

Flexibilidade: A flexibilidade é composta pelos limites mínimos e máximos que são aplicados aos volumes mensais “sazonalizados”. 

Modulação: A modulação, permite que os valores horários do contrato sejam registrados de acordo com a curva de consumo da unidade. O tipo de modulação vai determinar como vai ser esse registro. Pode ser “carga”, com o registro hora a hora, seguindo o consumo hora a hora do cliente. Ou pode ser “flat”, que é o registro do mesmo volume de energia para todas as horas.

Garantia Financeira: A Garantia Financeira tem por objetivo assegurar o pagamento do contrato de energia, semelhante à garantia dos contratos de aluguel.

Entre as modalidades aceitas pelo mercado, temos a Carta Fiança Bancária, o Seguro Garantia, o CDB Caucionado, a Fiança Corporativa e o Depósito Caução.

Vamos continuar abordando estes temas nos próximos meses. Caso tenha dúvidas e queira nos contatar, mande e-mail para [email protected].

Confira as nossas opções de adesão ao Mercado Livre de Energia

Se você está procurando reduzir o gasto com energia elétrica de um jeito simples e não sabe como, este texto é para você!

Muitas empresas enxergam no mercado livre de energia uma boa oportunidade para economizar na conta de luz. Por mais vantajoso que seja, muitas vezes acham o processo de migração confuso e complexo e por isso acabam por desistir de entrar nesse mercado.

De fato, há uma burocracia que precisa ser cumprida por todos os agentes para garantir a segurança e a confiabilidade das operações. Mas a boa notícia é que existe um jeito mais fácil de migrar para o mercado livre através da representação via um comercializador varejista.

O comercializador varejista é um agente autorizado pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) a comprar e vender energia em nome de geradores e consumidores. Funciona assim: você contrata um varejista e ele passa a realizar sua representação junto à CCEE, garantindo a compra de eletricidade e o cumprimento de todas as obrigações do setor elétrico.

Ou seja, na contratação varejista você tem a possibilidade de ficar livre das seguintes preocupações:

-Variações de Preço da energia;

-Variações de Encargos do setor;

-Pagamento de obrigações financeiras na CCEE;

-Cumprimento de prazos na CCEE;

-Dentre outros.

Uma vez no mercado livre, o consumidor consegue fechar contratos mais vantajosos, escolher a fonte de suprimento e deixa de pagar bandeiras tarifárias. Daí que vem o milagre da economia.

Atualmente, somente clientes com demanda igual ou acima de 500 kW (sozinho ou comunhão de cargas) podem migrar para o mercado livre. No entanto, a partir de janeiro de 2024 todos os consumidores da média e alta tensão (Grupo A) poderão escolher o fornecedor de energia, se assim desejarem. Deste modo, para os consumidores que possuem demanda abaixo de 500kW, é obrigatório a contratação do comercializador varejista.

Nós da CPFL Soluções, atuamos no mercado varejista de energia desde 2016 e oferecemos aos nossos clientes dois produtos, especialmente desenvolvidos para empresas que buscam competitividade e eficiência sem burocracia: o Economia Garantida e o Varejista – Preço Fixo.

Na modalidade Economia Garantida você tem um desconto fixo na conta de luz da sua empresa, que pode variar entre 15% a 30%, dependendo do seu perfil de consumo. Para descobrir o valor exato do seu desconto, nosso time precisa avaliar a sua última conta de energia para fazer um estudo personalizado. Para contratar essa solução, fale com um de nossos consultores .

E o produto Varejista – Preço Fixo?

Diferente da Economia Garantida, esse produto não oferece um percentual de economia fixo, mas, sim, um variável. Nessa modalidade, você negocia, de forma bilateral, um valor fixo por ano para cada megawatt-hora que a sua empresa vai consumir. O valor é reajustado anualmente pelo índice acordado e você precisa pagar os encargos setoriais.

Ambas as opções são vantajosas em comparação com o mercado cativo e proporcionam economia para sua empresa. O Economia Garantida é mais conservador, pois oferece um desconto fixo, sem surpresas. Já o Varejista-Preço Fixo é mais ousado e indicado para empresas que estão dispostas a lidar com uma variação mensal.

Ainda está em dúvida? Entre em contato com o nosso time de especialistas que faremos uma análise da sua fatura e identificamos o melhor produto para o seu negócio.


O que é o comercializador varejista e como escolher a melhor opção

A conta de luz pode representar uma porcentagem significativa dos custos de uma empresa e, no caso de uma indústria, essa taxa pode ser ainda maior. Portanto, encontrar medidas que possam gerar uma economia desse insumo é fundamental para o aumento da competitividade de qualquer negócio.

Ao migrar para o mercado livre de energia, sua empresa pode economizar no custo com eletricidade. A boa notícia é que a partir de 2024 todas as empresas conectadas em média e alta tensão, também conhecidas como Grupo A, poderão acessar ao mercado livre, e neste novo mercado, os clientes menores (com carga inferior a 500Kw) também poderão fazer esta migração, desde que sejam representadas por um comercializador varejista.

Mas o que é o comercializador varejista?

O comercializador varejista é um agente devidamente habilitado pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) para comprar e vender energia no mercado livre em nome de seus representados, geralmente pequenas e médias empresas como supermercados, padarias, shoppings, e etc.

Para garantir a segurança das transações, a CCEE estabelece uma série de requisitos que podem assustar os consumidores pouco acostumados com o mercado livre de energia. No entanto, o comercializador varejista simplifica esse processo, assumindo para si os compromissos burocráticos junto à CCEE.

A figura do comercializador varejista existe desde 2013 e foi criada para facilitar a migração dos consumidores para o mercado livre. A vantagem de migrar com o comercializador varejista é a unificação de três frentes de custo: compra de energia, encargos e gestão dos contratos. O consumidor não precisa ser um agente da CCEE e pode migrar com segurança e baixa burocracia, com a garantia de economia na conta de luz.

A oferta de comercializadores varejistas vem crescendo nos últimos 10 anos. Em 2018, havia oito agentes habilitados na CCEE. Esse número subiu para 74 até junho de 2023, sendo que mais 21 estavam em processo de habilitação.

Com tantas opções disponíveis no mercado, os consumidores precisam ter atenção ao escolher um comercializador varejista. Para evitar frustrações, recomenda-se fazer uma boa pesquisa, dando preferência para empresas com experiência e credibilidade no mercado de energia.

Desde 2016 a CPFL Soluções atua no mercado varejista. Entre em contato conosco para saber como migrar para o mercado livre com a segurança e a tranquilidade que a sua empresa precisa.

Veja o que você precisa saber antes de escolher um comercializador varejista:

-Pesquise as opções disponíveis na sua região e suas reputações no mercado;

-Avalie quanto tempo a empresa está no mercado e se possui estabilidade e robustez financeira;

-Compreenda as cláusulas contratuais;

-Avalie a qualidade de atendimento ao cliente e o suporte oferecido;

-Peça recomendações de outras empresas que já tenham experiência com o comercializador que você está considerando;

-Questione e esclareça suas dúvidas;

-Certifique-se que o seu comercializador varejista cumpre todas as obrigações na CCEE;

-Mantenha-se atualizado sobre o mercado livre de energia;