Encargo de Serviços de Sistema (ESS) e o efeito da crise hídrica

Entenda a relação do cenário hídrico do país com o valor deste encargo de energia.

Com o aumento surpreendente do nível de chuvas durante o mês de outubro, o Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) obteve uma queda acentuada, o que desencadeia diversas mudanças práticas no Encargo de Serviços de Sistema (ESS).

Neste artigo, vamos detalhar como a redução do PLD impacta na cobrança do Encargo de Serviço de Sistema. Caso você queria recapitular como estava o cenário do ESS em períodos anteriores, clique aqui.

Apesar da redução do PLD, as condições de operação do sistema continuam em estado de atenção, pois por decisão do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE), o despacho termelétrico permanece acontecendo como forma de garantir a segurança do abastecimento de energia elétrica do país.

E o que isso significa, na prática?

O custo do acionamento dos parques térmicos, operando fora da ordem de mérito, é arcado pelo Preço de Liquidação das Diferenças, mas quando este valor não é suficiente para cobrir tais custos, o subsídio dessa energia se dá via ESS.

A CCEE apresentou, em 03 de novembro, a projeção do Encardo de Serviço de Sistema para o mês de outubro, onde são estimados  R$ 4,2 bilhões, o que representa cerca de  R$ 94,3/ MWh adicionais na liquidação financeira de todos os consumidores.

Da estimativa apresentada pela CCEE, R$ 0,4 milhões se refere à Restrição de Operação, R$ 3,5 bilhões à  geração térmica,  R$ 1,2 bilhões à importação de energia e R$ 107,2 milhões à unit commitment, lembrando que todos esses itens fazem parte da composição do ESS, como você pode acompanhar aqui.

Mas atenção: para esta estimativa, não foram considerados custos  com o programa de Redução Voluntária de Demanda – RVD, deslocamento hídrico e nem oferta adicional de energia.

Fonte: CCEE

Fique atento!

Você deve perceber o aumento do ESS no momento em que sua empresa faz o aporte da garantia financeira. Caso este não seja efetuado em sua integridade, isso poderá incorrer em multa de 2% (dois por cento) sobre o valor não aportado e, em casos de reincidência, existe a possibilidade de abertura de procedimento de desligamento do agente, dentre outras sanções aplicáveis.

Em casos de descumprimento para agentes que tenham realizado uma venda de energia, via processo de cessão, o montante de energia vendido para a contraparte será reduzido na proporção da inadimplência pelo não aporte, com o objetivo de compensar perdas financeiras para o mercado.

Vale ressaltar que, com o aumento das chuvas, a expectativa é que o preço do PLD continue em queda, o que tem por consequência maior custo a ser arcado pelo ESS. Isto acontece, porque estamos vivendo um cenário operativo conservador, no qual os despachos termelétricos e importações de energia são mantidos, mesmo com as chuvas, pois o principal objetivo, neste momento, é a recuperação dos reservatórios.

A chegada do período úmido antes do esperado também teve por consequência a suspensão do recebimento de oferta adicional de energia e do programa de Redução Voluntária da Demanda – RVD, informada pelo ONS em 05 de novembro. A atual medida não exclui a possibilidade de reativação do programa em 2022, caso seja identificada nova necessidade de recursos adicionais para o suprimento de energia no país.

Durante este artigo, apresentamos diversos conceitos que podem gerar dúvidas, e por isso, listamos abaixo alguns textos que podem te ajudar na leitura:

Você também pode entrar em contato conosco, clicando aqui.

Entenda o descolamento entre PLD e CMO

A partir do detalhamento do PLD e CMO, veja quando ocorre o descolamento entre estes itens e de que forma isso impacta na sua empresa.

Para esclarecer os itens que impactam na contabilização de energia elétrica da sua empresa, nosso time montou este artigo detalhado sobre o descolamento entre o Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) e do Custo Marginal de Operação (CMO). Mas antes, é importante saber no que consistem os valores destes itens do Relatório de Contabilização da CCEE.

O que é o PLD?

O Preço de Liquidação das Diferenças é calculado com base no Custo Marginal da Operação determinado pelos modelos matemáticos oficiais de despacho da operação do sistema, aplicando-se os limites regulatórios máximo e mínimo de PLD. Este montante é utilizado para valorar a diferença apurada pela CCEE entre os volumes de energia contratados e os efetivamente medidos nas transações do Mercado de Curto Prazo (MCP).

Cabe destacar que o PLD é apurado para cada submercado do Sistema Interligado Nacional, e para cada hora do dia. Além disso, é importante ressaltar que a metodologia de definição dos limites máximos e mínimos do PLD é aprovada pelo órgão regulador do setor, a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

O que é o CMO?

O cálculo do Custo Marginal de Operação (CMO) pelo ONS equivale ao custo para se produzir o próximo Megawatt-hora que o sistema elétrico nacional necessita, isto é, representa o custo de atender uma unidade adicional à demanda do Sistema Interligado Nacional (SIN), de forma a ser estabelecido para cada submercado.

Quando ocorre o descolamento entre PLD e CMO?

Uma das razões para haver o descolamento entre o Custo Marginal de Operações e o Preço de Liquidação das Diferenças é a existência da limitação do PLD máximo.

Quando há a necessidade de despachar térmicas mais caras, com custo superior ao PLD, ocorre o descolamento entre os itens. Além disso, é importante levar em conta que para  fins do cálculo do Preço de Liquidação das Diferenças, a CCEE utiliza os mesmos modelos de programação do despacho que o ONS, entretanto não considera as restrições elétricas internas aos submercados, de forma que o preço seja único dentro de cada um destes.

Essa diferença das tratativas entre os limites de intercâmbio internos aos submercados também pode ocasionar descolamento entre CMO e PLD.

Na Prática

O descolamento entre o Custo Marginal de Operação e o Preço de Liquidação das Diferenças resultará em encargos por custo de descolamento, a serem pagos pelos usuários de energia elétrica do Sistema Interligado Nacional (SIN), lembrando que este fator compõe o relatório de contabilização enviado mensalmente para sua empresa.

Se você quiser se aprofundar no assunto, deixamos aqui o link do Caderno de Regras da CCEE, no qual você pode entender mais sobre os itens do Relatório de contabilização, e também o link explicando a formação do PLD.

Como o PLD Horário altera na contabilização?

Veja um exemplo de contabilização e entenda as mudanças na prática.

Publicamos recentemente uma série de conteúdos e informações sobre o PLD horário com o objetivo de compartilhar conhecimento, esclarecer dúvidas e dar todo o suporte para que você se sinta o mais confortável possível com essa mudança no mercado livre de energia.

A previsão é que o PLD horário entre em vigor a partir de janeiro de 2021 e hoje iremos abordar de forma mais detalhada o que isso altera na sua contabilização, caso sua empresa esteja no mercado livre.

Entendendo o PLD Sombra

Atualmente, como forma de prever os impactos eventuais que ocorrerão com a entrada do modelo DESSEM no ano que vem, a CCEE já está calculando o preço horário com o chamado PLD Sombra. No entanto, esse cálculo não tem nenhum valor comercial, mas sim informativo para aqueles que buscam prever impactos e alterações dessa nova metodologia.

O que isso altera na contabilização?

Suas exposições energéticas, calculadas hora a hora pela diferença entre os valores consumidos e contratados, passarão a ser valoradas pelo PLD horário de cada dia do mês para compor a contabilização mensal.

Na prática

Para te ajudar a compreender melhor, nossos especialistas desenvolveram um exemplo hipotético. No gráfico abaixo nós comparamos a contabilização de um cliente de perfil comercial ao longo do dia 01/10/2020 no modelo do PLD atual e do PLD horário.

PLD horário e exposições energéticas
Oportunidades do PLD Horário

O PLD

O PLD horário é um novo modelo de precificação do mercado de curto prazo. Ele irá substituir a metodologia atual chamada de ‘semana-patamar’ por uma com atualização diária de preços. Veja aqui uma matéria explicando o que é o PLD horário e como ele será calculado.

Por se tratar de um assunto novo, imaginamos que muitas dúvidas e incertezas possam surgir. Visto isso, nossos especialistas explicaram nessa matéria como essa mudança irá impactar e trazer novas oportunidades para o mercado.

1. Possível diminuição dos Encargos de Serviço do Sistema (ESS), visto que a formação de preço se aproximará mais da realidade operativa do Sistema.

2. Possibilidade de desenvolver novos comportamentos em relação ao perfil de consumo de energia da empresa, com o objetivo de buscar otimização por meio da modulação inteligente da carga, conforme a oscilação do PLD horário. Ou seja, aumento do consumo nos períodos em que o PLD horário estiver baixo e redução nos demais períodos.

3. Acompanhamento diário das medições, visto que os dados de consumo serão pertinentes para análises do modo operante, pois será atrelado à divulgação diária dos preços do PLD para o dia seguinte, por parte da CCEE.

4. Possibilidade de confecção de contratos futuros diferenciados e personalizados de acordo com a necessidade de cada cliente, conforme o perfil de cada agente:

5. Quanto maiores as variações do Balanço Energético e do PLD horário, maior é o potencial de variação do resultado financeiro do agente, seja positiva ou negativamente.

Entenda o que é o PLD horário e como ele será calculado

A partir de janeiro de 2021, o Preço de Liquidação das Diferenças – PLD irá sofrer uma alteração e passará a calculado em base horário, conforme proposta da CPAMP – Comissão Permanente para Análise de Metodologias e programas Computacionais do Setor Elétrico.

Por se tratar de um assunto novo, imaginamos que muitas dúvidas e incertezas possam surgir, por isso nosso time de especialistas fez uma seleção minuciosa de informações sobre o PLD horário que são importantes para os negócios.

Afinal, o que é PLD horário?

O PLD horário é um novo modelo de precificação do mercado de curto prazo. Ele irá substituir a metodologia atual chamada de ‘semana-patamar’ por uma com atualização diária de preços.

Como será calculado?

Atualmente o PLD é calculado por meio dos modelos computacionais Newave e Decomp. Com a mudança, a apuração dos preços utilizará mais um modelo, o DESSEM, que calcula o preço hora a hora, considerando um maior detalhamento da matriz energética e suas restrições para a operação. Dessa forma, diariamente, este modelo será responsável por otimizar o despacho hidrotérmico.

Qual é o objetivo dessa mudança?

A nova metodologia tem como intuito acompanhar as evoluções da matriz energética brasileira, bem como sua diversidade e, consequentemente, realizar uma previsão minuciosa da operação, buscando assim alinhar a precificação diária à realidade operativa.

Conheça a Consultoria da CPFL Soluções

Acreditamos que uma gestão de energia adequada contribui para o sucesso dos negócios. Por isso, queremos compartilhar todo nosso conhecimento sobre energia para que você tenha as melhores opções para economizar e manter sempre disponível este insumo tão importante.

Com a Gestão de Energia da CPFL Soluções nosso time de especialista irá te apoiar desde o momento em que decidir contratar energia até garantir que você receba a economia que espera. Selecionamos e direcionamos todo o conteúdo importante para você acompanhar o mercado de energia, além de dar o suporte necessário mediante mudanças, como no caso do PLD horário.