Entenda as vantagens e desvantagens das redes de distribuição aérea, compacta e subterrânea

Quando o assunto é rede de distribuição de energia, a primeira imagem que vem à nossa mente são postes de concreto ou madeira, um emaranhado de fios ligados às penduradas caixas de metal (transformadores) e etc… 

Mais comum no Brasil, a rede de distribuição área é uma tecnologia do século passado e apresenta um nível mais baixo de confiabilidade devido a sua vulnerabilidade. No entanto, é economicamente acessível, o que torna sua utilização oportuna em regiões complexas ou distantes dos grandes centros urbanos. Em áreas rurais, como fazendas, ainda é uma solução funcional.

Entretanto, devido à vulnerabilidade das redes aéreas, houve a necessidade de uma atualização tecnológica para tornar os equipamentos mais compactos, resilientes e seguros. Surgiu, então, as redes compactas. Embora mais eficientes, o nível de exposição ainda é superior aos das redes subterrâneas, perdendo também em atributos como interrupções/ paradas inesperadas, segurança e custo benefício. 

Apesar das redes subterrâneas terem um custo maior de implantação, trata-se de uma tecnologia com menor custo de manutenção, o que produz uma segurança e aparência organizada aos espaços. 

Centros comerciais e habitacionais em grandes metrópoles do mundo, como Londres (Inglaterra), Barcelona (Espanha), Paris (França) e Washington (EUA), estão adotando as redes subterrâneas para proporcionar uma experiência superior de convivência e trabalho à sociedade. Hoje a tendência são ambientes que oferecem, em um só lugar, trabalho, moradia, lazer e entretenimento, tudo isso com conforto e segurança. 

Olhando pelo aspecto técnico, as redes subterrâneas também atendem melhor os consumidores industriais, conferindo mais confiabilidade e eficiência para o fornecimento de energia elétrica, uma vez que não estão expostas a fenômenos naturais e animais e acidentes de atrito.

E olha só, os produtores de energia renováveis como solar fotovoltaica e eólica também utilizam as redes subterrâneas para proporcionar mais segurança ao escoamento de energia ao Sistema Interligado Nacional (SIN).

Tudo sobre soluções de infraestrutura em energia

Existem muitos desafios em relação às principais soluções de infraestrutura energética, ponto fundamental de todo projeto de energia. Desse modo, contar com um planejamento e uma execução de excelência é essencial para um trabalho seguro e confiável.

Texto publicado na Revista Eletricidade Moderna em 24/09/2021.

Quando falamos em projetos de infraestrutura energética, estamos nos referindo a ativos de energia, como as linhas de transmissão, subestações e redes de distribuição – aéreas ou subterrâneas. Mas qual a função de cada um desses elementos e de que maneira eles podem fazer parte do seu projeto?

Com anos de experiência no mercado de energia, nós, da CPFL Soluções, já auxiliamos centenas de clientes a projetar, implementar e manter os seus projetos de infraestrutura energética, garantindo melhores resultados e mais eficiência. Agora, vamos ajudar você a entender como esse investimento pode contribuir para o crescimento dos seus negócios.

Sistemas de transmissão

Os sistemas de transmissão permitem a interligação da sua fonte geradora ao consumidor final ou do consumidor ao sistema elétrico, assegurando que a energia seja transmitida ou chegue de forma segura e com máxima eficiência.

Um sistema de transmissão de energia possui quatro componentes fundamentais: torres, cabos, isoladores e subestações rebaixadoras ou elevadoras. A função principal das torres é sustentar as linhas de transmissão até uma altura segura, fazendo com que qualquer tipo de contato com veículos, pessoas, animais e vegetações seja evitado. Os cabos têm como função a condução da corrente elétrica e contam com o Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA) e de aterramento.

Os isoladores, por sua vez, evitam o contato da parte energizada com as estruturas, suportando o peso dos cabos que estão transmitindo a energia. Por fim, as subestações são os locais onde a energia é adequada e retransmitida, reduzindo ou elevando a tensão até que se atinja o padrão necessário, eficiente e seguro para o uso final.

Grandes consumidores de energia podem se beneficiar muito ao investir na construção de uma linha de transmissão, garantindo fornecimento de eletricidade com menor número de piscas ou interrupções e menos impactos externos. Centros comerciais, condomínios industriais, indústrias ou até mesmo grandes obras de geração de energia são alguns exemplos de clientes que podem se favorecer com esse tipo de estrutura energética.

Cabines de distribuição

Trata-se de instalações elétricas para entrada de energia ligadas ao sistema de distribuição de energia do empreendimento. As cabines permitem que a eletricidade seja transportada e transformada no seu local de destino, contemplando a medição e a proteção das instalações e das pessoas. Dessa forma, devem ser projetadas para garantir mais eficiência e confiabilidade, além de melhores condições de segurança.

Empreendimentos com demanda superior a 75 kW podem ser muito beneficiados pela instalação de uma cabine de distribuição: elas promovem a condição de uma demanda mais barata quando comparadas a sistemas de baixa tensão, além de proporcionar mais estabilidade no fornecimento de energia, evitando paradas desnecessárias (muito comuns nas redes secundárias).

Redes de distribuição

As redes de distribuição são essenciais para fazer com que a energia chegue a todos os pontos do sistema – por exemplo, um bairro, um empreendimento imobiliário, um parque industrial de geração de energia ou até uma fazenda. Construir uma rede de distribuição dá mais confiabilidade para o seu negócio, garantindo mais estabilidade e eficiência no consumo de energia, sobretudo quando comparada às redes secundárias.

Existem dois tipos principais de redes de distribuição: subterrâneas e aéreas. Ambas funcionam de forma parecida, mas trazem vantagens diferentes para os projetos.

Por ficar enterrada, em galerias ou encaminhamentos subterrâneos, uma rede de distribuição subterrânea sofre menos contato com fatores naturais externos e, portanto, é mais segura, demandando também menos intervenções para manutenção. Há um risco menor de quedas e falhas de energia pelo fato de a sua fiação estar protegida de atuadores externos, tais como pássaros, árvores etc. Sem fios expostos, a rede subterrânea deixa o ambiente visualmente limpo. Por isso, são aliadas e ótimas opções para empreendimentos imobiliários em geral, tanto residenciais quanto corporativos.

Já as redes aéreas são estruturas que possuem um custo muito menor de instalação, fazendo com que os gastos do projeto sejam otimizados. Outra vantagem é o fato de ser uma estrutura de rápida instalação, garantindo a implementação de um projeto com mais agilidade. As redes aéreas são recomendadas para clientes que dispõem de espaços com baixa probabilidade de interferências externas nos cabos elétricos e em seus componentes energizados; além disso, aconselha-se que sejam áreas com pouca vegetação alta ou edificações próximas às instalações elétricas.

Se você tem grandes desafios de crescimento e busca mais eficiência na gestão da energia, este pode ser o momento de investir em um projeto de infraestrutura. Converse com um dos nossos especialistas para conhecer as melhores soluções e calcular o retorno do seu investimento.

Redes subterrâneas de energia são mais seguras e confiáveis

A fiação aérea ainda predomina no Brasil, mas vários empreendimentos já perceberam as vantagens dos sistemas de distribuição de energia abaixo da superfície.

Quem passa pela primeira vez no trecho revitalizado da avenida Francisco Glicério, no centro de Campinas (SP), sente que há algo diferente no cenário. Logo percebe que é a ausência de postes com cabos e fios, o que deixa tudo mais limpo, com aparência mais desobstruída e um visual bem mais agradável. Esse foi o resultado de um projeto de urbanização que incluiu a instalação de uma rede subterrânea de 1.440 metros que, além dos ganhos estéticos, proporcionou outros benefícios importantes, como mais segurança, maior vida útil e menor risco de interrupção no fornecimento de energia.

Mas, a Nova Glicério é um caso pouco comum num país em que as redes aéreas predominam amplamente nas áreas urbanas, diferentemente do que acontece em cidades como Paris, Londres e Amsterdã, que há muitos anos investem na instalação de redes subterrâneas. Por aqui já houve algumas dessas iniciativas em regiões da capital de São Paulo, em Porto Alegre, no Rio de Janeiro e em outras localidades, mas sempre em áreas restritas, sem impacto significativo no sistema como um todo. Entre os obstáculos para que isso ocorra em grande escala destacam-se a carência de planejamento urbano e o custo dessa conversão.

Contudo, se enterrar os fios elétricos das cidades brasileiras ainda é um projeto de longo prazo, o mesmo não ocorre em fábricas, grandes centros comerciais, condomínios residenciais e outros empreendimentos que, na ponta do lápis, avaliaram as vantagens do sistema subterrâneo e concluíram que vale a pena investir nessa melhoria. Para o cliente, a decisão de implantar a rede subterrânea deve levar em conta as demandas específicas do projeto, com destaque para a confiabilidade e a segurança.

O sistema subterrâneo é imune a algumas das principais causas de interrupção de energia em redes aéreas, como queda de árvores, interferência de animais e da vegetação, tempestades com raios, incêndios por curto-circuito, acidentes de trânsito, veículos altos que derrubam a fiação, pipas e mais uma série de eventos que fogem do controle das equipes de manutenção preventiva. Numa indústria que trabalha em turnos ininterruptos, por exemplo, um corte de energia, por menor que seja, pode causar prejuízos significativos, e o mesmo ocorre em um centro comercial, em um condomínio ou em instalações de grande porte como hospitais, estádios e parques de exposição.

Portanto, quando a segurança e a confiabilidade são prioritárias, a rede subterrânea passa a ser um investimento compensador, considerando o custo-benefício, e a partir dessa decisão resta selecionar a empresa mais apta a desenvolver esse tipo de projeto. E, de acordo com os especialistas, a capacidade de execução está diretamente relacionada a três fatores principais: a expertise, a qualificação dos profissionais e o nível dos equipamentos e ferramentas disponíveis.

Do ponto de vista do cliente, esses requisitos são essenciais para garantir que o projeto se desenvolva da melhor maneira possível, no prazo previsto e com os resultados programados, sem surpresas desagradáveis. Nesse sentido, nós, da CPFL Soluções somos a primeira empresa do setor elétrico a oferecer a implantação de redes subterrâneas de ponta a ponta, do planejamento à energização. Possuímos um quadro próprio de profissionais qualificados, com formação específica para cada tarefa, além de equipamentos de última geração e um portfólio robusto de serviços entregues – como a rede subterrânea da avenida Francisco Glicério, em Campinas, entre vários outros projetos em áreas públicas e particulares.

Depois de construir mais de 550 km de redes, entendemos como agregar valor aos empreendimentos, reduzir perdas e garantir mais segurança e durabilidade à rede elétrica subterrânea. Conte conosco para desenvolver, planejar, executar e estabelecer padrões de qualidade e confiabilidade aos sistemas, incorporando funções de automação e monitoramento, para atender à exata demanda do nosso cliente.

Rede de distribuição: Aérea Vs. Subterrânea

Tipos de rede de distribuição:

Rede de distribuição aérea

Mais comum no Brasil, a rede de distribuição aérea convencional é composta por diversos elementos, como:

Desenvolvido há mais de 50 anos, esse sistema de distribuição conta com uma fiação que pode ser classificada como primária ou secundária, de acordo com a sua tensão. Tecnologicamente falando, a rede de distribuição área se encontra saturada e apresenta um baixo nível de confiabilidade, principalmente por conta da sua alta exposição.

Como seus condutores não são isolados, não é um sistema adequado para áreas com arborização, pois o contato pode fazer com que todo o sistema se desligue. Nas áreas com construções e edifícios, é necessário que haja um afastamento mínimo para a prevenção de contato acidental com pessoas.

Esse é o sistema de distribuição mais barato do mercado, mas em contrapartida, apresenta um grande custo de manutenção. Por ser uma rede totalmente exposta às intempéries ambientais, ela apresenta uma alta incidência de danos e falhas, além de demandar a poda constante das árvores próximas. 

Além desse tipo de dano, também deve ser considerada a ocorrência de acidentes de trânsito (impacto de veículos contra os postes de sustentação da rede), tempestades com raios, animais, queda de árvores, ventos fortes, etc. 

Foto de Rede de Distribuição Aérea – Imagem de banco gratuito online.

Rede de distribuição aérea compacta

Esse tipo de rede foi criado na década de 90 e apresenta um maior nível de segurança em comparação à rede convencional, principalmente por conta de dois fatores essenciais: por ser compacta, ela ocupa menos espaço (reduzindo a área de exposição) e por apresentar cabos com proteção.

Surgindo como uma alternativa mais funcional, a rede aérea compacta foi criada para aumentar a confiabilidade do sistema e melhorar a qualidade da energia elétrica distribuída. Ela é formada por um conjunto de cabos cobertos ou protegidos, fixados a braços metálicos e separadores. Ainda que protegidos, esses cabos não são necessariamente isolados, mas apresentam uma maior segurança quanto à arborização do ambiente. 

Foto de Rede de Distribuição Aérea Compacta – Imagem de banco gratuito online

Rede de distribuição subterrânea 

Esse tipo de rede,  embora apresente um investimento maior, é um sistema muito mais seguro e confiável. Como toda a fiação é encoberta, apresenta uma menor exposição aos problemas ambientais e acidentes que interrompem a distribuição e causam danos na rede. Por esse motivo, apesar de ser mais caro, as redes subterrâneas demandam manutenção preventiva e corretiva muito menor comparada as redes aéreas, apresentando uma grande melhoria no custo-benefício da instalação.

Outra vantagem está na estética apresentada: sem a grande quantidade de fios expostos, o local fica com uma aparência mais limpa e organizada, valorizando os empreendimentos comerciais, a urbanização das cidades e indústrias. Também promove uma entrega de energia mais eficiente e confiável, de acordo com a demanda e as necessidades dos consumidores finais.

É uma alternativa precisa, que realiza o transporte e a distribuição de energia sem desperdício e falhas, sendo a melhor opção para grandes cidades, condomínios, grandes comércios e indústrias. Apesar da rede de distribuição subterrânea demandar um maior investimento, apresenta inúmeras vantagens, como maior previsibilidade produtiva, melhor desempenho e estabilidade na distribuição energética.

Foto de fiação subterrânea – Imagem de banco gratuito online

Para otimizar ainda mais as atividades da sua empresa, conte com a CPFL Soluções. Através da nossa consultoria, você pode trilhar o caminho mais seguro e eficiente para o seu negócio! Entre em contato conosco!

Mais segura, redes subterrâneas garantem fornecimento contínuo

A estética urbana melhora nas áreas em que não há fiação aparente. Mais modernas, as redes subterrâneas agregam benefícios que vão além do embelezamento. O mais destacado é a segurança.

Redes de fiação subterrâneas estão menos sujeitas a problemas com interferências do meio, como tempestades, acidentes de trânsito, ventanias, queda de galhos de árvores, objetos lançados nos fios, raios e vandalismo. Com isso, registram menor incidência de “piscas” e interrupção de energia.

A segurança também é maior para a integridade de quem vive, trabalha e/ou transita nos locais com redes subterrâneas. Não há riscos de choque elétrico por fiação exposta, por exemplo.

Na área industrial, isso significa grande confiabilidade operacional, para que os processos de fabricação ocorram sem interrupções. Além de planejamento de manutenções mais espaçadas, uma vez que a infraestrutura tem menos interferência de vegetações locais, por exemplo. Não por acaso, o cabeamento elétrico subterrâneo é uma boa opção para ser adotado em setores críticos, como as redes hospitalares.

A CPFL oferece a todo o país a implantação de redes subterrâneas, do projeto à energização final. Com a expertise de centenas de km de redes já construídos, a companhia trabalha com foco em garantir maior segurança e durabilidade da rede elétrica, agregar valor aos empreendimentos e minimizar as perdas.